segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Colegiado aprova Regimento Eleitoral para criação dos CDS VII e VIII

      Foram aprovados, por unanimidade, os Regimentos Eleitorais que normatizam a criação dos Conselhos Distritais de Saúde (CDS) VII e VIII. Elaborado pela Comissão designada para o acompanhamento do processo eleitoral, o documento traz as regras que os (as) usuários (as), as entidades e profissionais de saúde devem seguir para compor os novos conselhos. A leitura dos documentos foi feita pelos coordenadores das Comissões Eleitorais VII e VIII, Aderbal Medeiros e Sebastiana Maria, respectivamente. A aprovação aconteceu durante a 206ª Reunião Extraordinária do CMS-Recife que trouxe também a apresentação da Política de Atenção as DST/Aids e Hepatites Virais.
A conselheira Sebastiana Maria foi eleita a coordenadora da Comissão Eleitoral do CDS VIII
O conselheiro Aderbal Medeiros faz a leitura do Regimento Eleitoral do CDS VII
      A convite do CMS-Recife, o chefe da Divisão de Atenção DST/Aids e Hepatites Virais, Alberto Enildo, apresentou ao conselho como a Política está organizada, além de mostrar a atual situação epidemiológica, o recurso financeiro, quais foram as ações realizadas ao logo de 2016 e quais serão as ações programadas para o próximo ano.
Alberto Enildo apresenta as ações da Política de Atensão DST/Aids e Hepatites Virais
     Findada a apresentação, a plenária pode fazer suas intervenções. O Conselheiro Alberto Correia perguntou sobre a demora na entrega do resultado dos exames de sífilis. “Existe uma reclamação muito grande na área que moro com relação à entrega do resultado de exames como o de VTRL, de TB e HIV. O que a Política tem a dizer sobre essa situação?”, indaga. Ainda segundo o conselheiro, alguns usuários relatam a falta de material para realização do exame no Laboratório Municipal. Em resposta, foi dito que o resultado dos exames fica disponível em cerca de 15 dias, mas, quando ocorrer esse tipo de problema, é preciso saber o nome do paciente para verificar o ocorrido e agilizar a entrega do exame.
O conselheiro Alberto Correia questionou sobre a demora na entrega dos resultados dos exames
      O conselheiro Moisés José perguntou se a Política de Atenção as DST/Aids e Hepatites Virais desenvolve algum trabalho em conjunto com o Consultório de Rua, outro serviço ofertado pela Secretaria de Saúde. “Gostaria de saber onde vocês atuam. São nos mercados? Nas ruas? Existe uma parceria com o Consultório de Rua?”, questiona. Seu Moisés, que faz um trabalho voluntário na microrregião 1.2 (Distrito Sanitário I), pediu que a política esteja mais presente aos usuários que estão em situação de risco com campanhas mais direcionadas e eficazes.
O visitante Alexandre Magno contribuiu com o debate
  O visitante Alexandre Magno contribuiu com o debate. “Quero parabenizar a apresentação, mas existem algumas perguntas a serem feitas”, disse. Alexandre usou o seu tempo para questionar acerca do aporte financeiro da política, onde indaga: “o que é do município e o que é do Ministério da Saúde”?  Além disso, o representante do Fórum Aids de Pernambuco perguntou se existe alguma previsão para abertura de licitação para projetos de ONGs e quais são as medicações que estão pactuadas pela CIB para DST/Aids e que são garantidos pela Assistência Farmacêutica. A gestão ficou de enviar um documento detalhado contendo todas as informações solicitadas.
     Por fim, houve os informes gerais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário