segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Comissão de Educação Permanente faz Roda de Conversa

    Na manhã da última sexta-feira, 14, conselheiros municipais, distritais e alguns convidados participaram de uma Roda de Conversa com o tema "Conferência". Uma proposta oriunda da comissão de Educação Permanente, a roda de conversa teve como intuito desmistificar o processo que envolve a elaboração de uma conferência de saúde e, ao mesmo tempo, dialogar qual seria a melhor forma para concretizá-la. Na ocasião, o professor e pesquisador da Fiocruz, Domício Sá, foi convidado para contribuir na troca de conhecimento.
    Iniciada pela coordenadora de comissão, Edileusa Maria, a reunião teve momentos enriquecedores, onde os presentes puderam expor questionamentos e se posicionaram acerca do tema. Questionamentos esses, em sua maioria, pautados na participação popular e no fortalecimento das bases.
    "O fortalecimento deve ser feito o ano todo, não somente em período de conferência. É um trabalho permanente e o esforço deve ser coletivo", expôs Rosângela Berto, secretária executiva do Conselho do Distrito Sanitário II. Essa afirmação de Rosângela veio de encontro ao pensamento do CMS-Recife que vê a necessidade de estar presente nas comunidades, onde possa instigar e despertar o interesse da população pelo controle social.
    Dentro dessa perspectiva, o Coordenador Geral do CMS-Recife, Oscar Correia, falou que o conselho pauta a participação popular e que tem projetos para aproximar-se da população, como é o caso do Fórum Aberto de Conselhos de Saúde nas Comunidades do Recife, uma estratégia adotada pelo colegiado para ouvir e chegar mais próximo da sociedade. 
    Sobre qual modelo de conferência o CMS-Recife deve adotar, os presentes foram muito enfáticos. "O modelo atual é um modelo esgotado. Devemos pensar em novas formas para atrair o cidadão a participar das conferências", disse Rosano Carvalho, representante da Escola de Governo em Saúde Pública. Aliás, esse ponto foi amplamente discutido onde ficou a certeza de que é "permitido fazer ajustes aos modelos existentes" e que "a base seja o condutor de todas as políticas" como bem falou Domício Sá, ressaltando a importância de ouvir a população.
    Numa breve fala, a conselheira e vice-coordenadora do CMS-Recife, Janaína Brandão, disse que a comissão de Articulação vem pontuando essa temática e que o CMS-Recife já tem a proposta de criar um Grupo de Trabalho para iniciar, de fato, o processo de construção da 12ª Conferência Municipal de Saúde do Recife.
    O diálogo participativo acabou nas considerações finais de Domício, que fez um aparato geral do que foi debatido da roda de conversa. Entre os pontos citados por ele, ficou a proposta de incorporar novas ferramentas para ouvir a população (como as redes sociais, por exemplo) e estar mais presente nas bases.
    Ao final, ficou acertado que haverá um novo encontro no mês de dezembro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário