segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Colegiado realiza 186ª Reunião Extraordinária

    Na sessão plenária extraordinária que aconteceu na última quinta-feira, 20, o colegiado recebeu as apresentações da Política de Saúde da População Negra e do projeto Sanar Recife, além de discutir demandas administrativas como vacância de comissões e apreciações de ATAS.
Mesa coordenadora: Audenise Bonifácio (E), Oscar Correia (C) e Janaína Brandão (D),
secretária executiva, coordenador geral e vice-coordenadora do CMS, respectivamente.
    Com os trabalhos iniciados pelo coordenador geral do Conselho, Oscar Correia, as apresentações seguiram a pauta e foram apreciadas pelo coletivo. No primeiro momento, a gerente de Política de Saúde da População Negra, Sony Santos, trouxe o aparato da política onde exemplificou que o objetivo da política é "promover a saúde integral da população negra destacando a importância da redução das desigualdades raciais, do enfrentamento ao racismo e à discriminação nas instituições e serviços do SUS/Recife".
    A conselheira Rivânia Rodrigues (segmento usuário, representando a AMOTRANS) ressaltou que é importante trazer essa discussão para dentro do conselho e falou das dificuldades em realizar as atividades nos terreiros. "Os profissionais de saúde devem entender que aquele espaço [os terreiros] é um espaço de cidadania", disse. Diante do exposto, Sony falou que há ações realizadas por ACS dentro dos Distritos Sanitários, como postos volantes, uma vez que entende o terreiro como  "espaço de promoção à saúde".
Sony Santos apresenta a política da Saúde da População Negra
    A conselheira Liana Chaves (segmento Gestor/Prestador, representando a Faculdade Pernambucana de Saúde - FPS), parabenizou as propostas e como ela vem sendo trabalhada pelos profissionais na ponta. Além disso, também perguntou se existe um espaço de discussão nas universidades para debater a política. Em resposta, Sony falou que existe um canal com as universidades e que há uma parceria com os NEABs - Núcleos de Estudo Afro Brasileiros.
    Dando continuidade a pauta, a coordenadora de TB/Hansen do DS III, Ana Priscila Duarte, trouxe a apresentação do Projeto Sanar Recife. Com o objetivo de reduzir a carga de doença ou eliminar enquanto problema de saúde pública, a política traça estratégias de enfrentamento das quatros doenças transmissíveis negligenciadas no município do Recife: Hanseníase, Tuberculose, Filariose e Geohelmintíase.
Ana Priscila Duarte, representou a coordenadora do programa de Enfrentamento às
Doenças Negligenciadas SANAR - Recife, Ariane Bezerra, na apresentação ao CMS
    O Conselheiro e Coordenador do CMS-Recife, Oscar Correia, trouxe a fala de pacientes com tuberculose que, segundo ele, têm efeitos colaterais por não ter uma alimentação adequada ao tratamento e perguntou se ainda é distribuída a cesta básica para esses pacientes. Ana Priscila disse que a entrega da cesta básica era um incentivo do fundo global e que hoje não há mais essa distribuição garantida, mas que existe uma parceria com os CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social) e os CRAS (Centro de Referência da Assistência Social) que avaliam as questões socioeconômicas dos pacientes afim de receber a cesta básica para melhorar a condução do tratamento.

    Como deliberações, o pleno aprovou que a conselheira Rivânia Rodrigues representasse o CMS-Recife no Seminário Nacional de Atenção Integral da Saúde das Mulheres Lésbicas e Bissexual, na cidade de Brasília; o conselheiro José Cleto representará o CMS-Recife no Seminário de Saúde e Política de Saúde do Recife, no DS VI e VIII; e foi aprovada a publicação de uma resolução do CMS-Recife, manifestando posição contrária a prática adotada pela Unidade de Saúde da Família Bernard Van Leer, em Brasília Teimosa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário