sexta-feira, 30 de agosto de 2019

Plenário debate sobre Ouvidoria Recife


       Realizando a sua 335ª Reunião Ordinária, o colegiado do Conselho Municipal de Saúde (CMS) do Recife esteve reunido para acompanhar as apresentações das respostas da Secretaria de Saúde (Sesau) quanto aos relatórios da Comissão de Fiscalização do Conselho e da apresentação da Ouvidoria do SUS do Recife, entre outros pontos de discussão.
        Convidado para apresentar sobre a Ouvidoria Recife, Everson Sercundes, apresentou aos conselheiros e conselheiras o funcionamento, quadro situacional, como é feito o monitoramento de demandas, os investimentos, recursos, entre outros pontos que estão ligados a esse mecanismo de comunicação direta entre a população e a gestão da saúde.         “A Ouvidoria promove a disseminação de informações em saúde e do SUS, gerando informações baseadas nas necessidades da população, ou seja, a ouvidoria é um termômetro para a gestão saber sobre a realidade do usuário, podendo orientar a tomada de decisão”, explica Everson, “[E acaba] contribuindo para o fortalecimento da qualidade da gestão e da atenção prestada em saúde”, conclui.
         Iniciado o debate, a conselheira Liana Lisboa quis saber como é feito o treinamento para os profissionais que realizam a escuta qualificada, pois, segundo ela, os usuários relatam “uma falta de preparo” por parte dos ouvintes, chegando, inclusive, a questionar o porquê da ligação. Além disso, a conselheira sugeriu que o protocolo de atendimento seja entregue no início da ligação, o que ajudaria a acompanhar melhor o tempo de espera para a resposta.
       Em resposta, o responsável pela Ouvidoria Recife disse que “existe um treinamento com quem recebe as ligações” e que a secretaria faz “reciclagens com essas pessoas, onde tratam sobre a forma de abordar o cidadão e sobre o script que desse ser seguido”.
       A respeito da demanda da Comissão de Fiscalização, a coordenadora da Comissão, Janaína Bandão, ficou encarregada de apresentar ao plenário as devolutivas da Sesau quanto aos relatórios produzidos pela comissão. CAPS Boa Vista, USF Nossa Senhora do Pilar, USF Amaury de Medeiros, USF Alto do Pascoal, USF Chico Mendes/Ximboré, USF Sítio dos Macacos e a Policlínica Lessa de Andrade, estavam entre os relatórios respondidos.
A conselheira Marise Matwiszyn defendeu a renovação das atividades das PICs
       Após pedido para continuação de suas atividades, a Comissão Temporária das Práticas Integrativas e Complementares (PICs) teve seu mandato renovado por mais seis meses, porém foi alterada para o status de Grupo de Trabalho e acomodará mais representações oriundas dos Conselhos Distritais.
       Ainda em reunião, foram eleitos(as) os(as) conselheiros(as) Ana Karla, Euclides Monteiro, Esdras Morais, Inês Maria, Leonilde Cunha, Liana Lisboa, Rejane Marinho e Ubirajara Alves para representar o CMS-Recife no 8º Simpósio Brasileiro de Vigilância Sanitária (SIMBRAVISA) que acontece entre os dias 23 e 27 de Novembro, em Belo Horizonte.
          Por fim, o colegiado aprovou as Atas das Reuniões 326 e 327 (RO) e 212 (RE).

Nenhum comentário:

Postar um comentário