quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Hospital da Mulher do Recife foi ponto de pauta de Reunião Plenária

Colegiado em visita às obras do Hospital da Mulher
     Em pleno realizado integralmente na última segunda-feira (10), o colegiado do Conselho Municipal de Saúde (CMS) do Recife pode participar da 191a Reunião Extraordinária que debateu exclusivamente o Hospital da Mulher (HM) do Recife. Iniciada às 8h30 com um café da manhã na sede do conselho, os conselheiros e conselheiras seguiram para uma visita in loco para conhecer o local que está sendo construído o HM. A visita foi guiada pela gerente Geral de Atenção Integrada a Saúde, Mônica Vasconcelos, onde, juntamente com sua equipe, mostraram o hospital e deram informações dos serviços que serão ofertados na nova unidade.
Plenário presta homenagem ao pai da conselheira Lucelena Cândido
que faleceu no último domingo dia dos pais.
     Durante o período da tarde, já na sede do conselho, os conselheiros e conselheiras prestaram uma homenagem ao pai da conselheira Lucelena Cândido, que faleceu no último domingo (dia dos pais), ficando um minuto em silêncio.
     Passada a homenagem, os presentes puderam ver as explanações do secretário de Saúde, Jailson Correia, que, juntamente com a secretária Executiva de Regulação, Fernanda Casado, trouxeram informações sobre a estrutura, investimentos, custeio, perfil assistencial e gerenciamento do HM. ''A história que a gente vai contar no futuro é que nesta gestão desse conselho, todos nós, conselheiros, testemunhas e protagonistas desse processo em que o Hospital da Mulher  vai ser entregue a população feminina do Recife'', Disse Correia.
Fernanda Casado trouxe informações sobre o Hospital da Mulher 
     "Este é um momento histórico na gestão da Secretaria de Saúde do Recife, pois tem a oportunidade de apresentar formalmente ao Conselho os serviços apresentados e todos os detalhamentos necessários com respeito ao Hospital da Mulher do Recife", disse o secretário. "É um clamor da população da cidade do Recife, especialmente feminina e também deste conselho, que, por muitas vezes, estivemos envolvidos em momentos sobre o debate com respeito a assistência materna infantil e na saúde da mulher de uma maneira mais ampla, mais abrangente", finaliza.
Jailson Correia participa da apresentação da estrutura do Hospital da Mulher 
     Finalizada a apresentação, o debate foi aberto e os representantes do Controle Social fizeram seus questionamentos acerca do tema. A conselheira Josilene Carvalho (segmento Gestor) parabenizou a apresentação e questionou se haverá um atendimento especializado às mulheres que tem a necessidade da realização do aborto legal. Em resposta, a secretária Executiva de Atenção à Saúde, Eliane Germano, disse que o serviço será ofertado dentro dos parâmetros legais e que o acesso as mulheres que optam pela interrupção da gravidez será feito em um local mais reservado para não expor a usuária na triagem geral.
Josilene Carvalho em debate sobre o Hospital da Mulher
     A conselheira Halina Cavalcanti (segmento Trabalhador) questionou a respeito do modelo de gestão do HM ser feito por uma Organização Social (OS) e não pela própria gestão. "Sabemos que o modelo de OS fragiliza completamente o SUS e isso está sendo discutido há muitos anos. Quando se fala em modernização, eu mudaria para 'mercantilização do sistema de saúde', pois os serviços tratam da assistência com metas, números e com pouco cuidado com os trabalhadores e trabalhadoras. Gostaria de saber o porquê da gestão ter optado pela escolha desse modelo", indaga.
Halina Cavalcanti questiona o porquê da OS gerenciar o Hospital da Mulher
      Jailson Correia respondeu dizendo que Recife, historicamente tem uma resistência a novos modelos de gestão por sempre fazer em administração direta. "Se tivermos que experimentar novos modelos de gestão, mais modernos e que possam oferecer alternativas dentro do município, vamos começar pelos equipamentos novos", disse, se referindo ao Hospital da Mulher. "A gente toma decisões na política pública baseadas em evidências e o nosso modelo de OS em Pernambuco não traz uma maior participação privada como em outras partes do Brasil. Esse é um modelo focado nas instituições não governamentais, mas sem fins lucrativos e isso é importante como diferencial e temos isso como uma vantagem do ponto de vista da nossa possibilidade de construção dentro da cidade", finaliza.
       Ao final, o colegiado resolveu questões de esfera administrativa como informes gerais e repasses de comissões.




Hospital da Mulher do Recife*

     O Hospital da Mulher do Recife será a primeira unidade de saúde de grande porte construída pela gestão municipal na capital pernambucana. A unidade está orçada em R$ 56,8 milhões, dos quais R$ 48,8 milhões são oriundos de convênio com o Governo Federal, e vai reunir em um único lugar atendimento de urgência e emergência 24 Horas, centro obstétrico, cirúrgico, UTI materna e neonatal, Clínica Ambulatorial, Diagnóstico, Apoio Terapêutico, além de assistência à mulher vítima de violência

     O Hospital da Mulher está sendo construído em uma área de 13 mil metros quadrados, localizado no bairro do Curado, Zona Oeste da cidade e contará com 150 leitos para o atendimento de mulheres a partir dos dez anos de idade que necessitarem de procedimentos de média e alta complexidade com capacidade para 400 partos e 250 cirurgias ao mês.
     Realizará cerca de 10.000 atendimentos ambulatoriais de pré-natal de alto risco, assistência ao parto e puerpério bem como atendimento em sub especialidades tais como: ginecologia infanto puberal, climatério, serviço de esterilização cirúrgica, mastologia e assistência à população LGBTT (lésbicas, bissexuais e transexuais). Contará ainda com banco de leite humano, endocrinologista, cardiologista, nutricionista, psicólogo, fisioterapeuta, odontólogos e enfermeiros

Nenhum comentário:

Postar um comentário