quarta-feira, 3 de maio de 2017

Regulação em Saúde foi pauta de reunião plenária

        Em reunião plenária realizada no dia 27 de abril, o colegiado do Conselho Municipal de Saúde (CMS) do Recife se reuniu para realização da sua 307ª Reunião Ordinária. Tendo como pauta a apresentação da Diretoria de Regulação em Saúde do Recife, os conselheiros (as) também puderam discutir sobre assuntos de esfera administrativa.
       Convidada para apresentação da regulação no Recife, a diretora Executiva de Regulação em Saúde do Recife, Fernanda Casado, explicou qual o objetivo desse mecanismo dentro da Secretaria de Saúde. “É o estabelecimento de meios e ações para a garantia do direito constitucional do acesso universal, integral e equânime dos usuários do Recife”, conta. “A regulação assistencial é esse conjunto de relações, saberes, e tecnologias que são interligados em ações que servem de canal das demandas dos usuários pelos serviços de saúde segundo os diferentes perfis e de oferta”, complementa.
      Iniciado o debate, o conselheiro Cristiano Nascimento questionou o motivo da UTI do Hospital da Mulher não ter sido inaugurada e quis saber se isso é devido a falta de profissionais. “Existe algum prazo para que esses leitos fiquem disponíveis para as usuárias?”, indaga.
      Em resposta, Casado disse que a abertura dos outros espaços do Hospital da Mulher será feita de forma gradativa, mas ressaltou que o custeio para manutenção é alto e que a gestão está captando recursos para abrir esses leitos.
     A conselheira Lorena Raia relembrou que o CMS-Recife instituiu uma comissão para verificar as dificuldades das Práticas Integrativas e Complementares (PICs) e, consequentemente, para ajudar a pressionar a melhora da oferta e a divulgação do serviço. Diante disso, ela quis saber “como está sendo feita a regulação das PICs e se existem dados que ajudem a provocar a implantação em todos os distritos”.
      Respondendo ao questionamento, Casado disse que não é feita a regulação das PICs e, por isso, não possui dados. Porém, a gestora deixou claro que estão dialogando com o Guilherme Abath (unidade referência das PICs) para começar a regular o serviço.
       Em continuidade a pauta, o colegiado elegeu os componentes das comissões eleitorais que acompanharão os Processos de escolha dos pré-delegados (as) e delegados (as) das etapas Microrregionais e Distritais da 13ª Conferência Municipal de Saúde do Recife.

      Por fim, houve vacância das comissões permanentes, aprovação das ATAS 204 RE e 298 RO e a escolha dos representantes do CMS-Recife na etapa Macrorregional Metropolitana/Recife da 2ª Conferência Nacional de Saúde das Mulheres e da etapa Macrorregional Metropolitana/Recife da 1ª Conferência Nacional de Vigilância em Saúde.

Nenhum comentário:

Postar um comentário