terça-feira, 20 de junho de 2017

13a Conferência: Saúde local é debatida por moradores da Microrregional 8.1

          Aconteceu, no último sábado, 17, mais uma plenária Microrregional da 13a Conferência Municipal de Saúde do Recife. Recebendo usuários (as), trabalhadores (as) e gestores (as), o Distrito Sanitário VIII iniciou sua fase de discussões sobre a saúde local e escuta da população para identificar problemas e criar propostas que ajudem a saná-los.
          Tendo a mesa de abertura composta por representantes dos Conselhos de Saúde (Municipal e Distrital) e representantes da gestão, a plenária pode acompanhar algumas apresentações que evidenciavam o papel estruturante do Controle Social como também apresentações do panorama situacional do território dentro da rede de saúde. 
A conselheira Cláudia Martins também realizou uma apresentação falando como se
organizam os Conselhos de Saúde e quais são suas principais funções
           A conselheira Cláudia Martins, representante do CMS-Recife na mesa de abertura, falou da importância desse momento. "Este é um processo transparente e democrático, onde a participação da população local é fundamental para a formulação de propostas e discussão dos problemas enfrentados nas unidades de saúde", disse. 
A gerente do Distrito Sanitário VIII, Mônica Gueiros, apresentou a rede de saúde do território,
com ênfase na Microrregional 8.1
       Para a gerente do Distrito Sanitário VIII, Mônica Gueiros, esse é um importante momento para se lutar pelo SUS. "Para que o SUS não se desconstrua e morra precisamos fazer acontecer e por isso temos que discutir saúde em todos os níveis", disse. 
         A plenária também participou do debate, onde elencou dificuldades encontradas ao longo desses último anos. "Estamos desacreditados e a não realização de algumas propostas das últimas conferências fragiliza o movimento. A construção da UPAE está ai para criar esperança no povo, porque nunca saiu do papel desde 2013", disse Lucas Estevam, usuário da localidade. Mônica informou que as obras da UPAE e da Upinha Rio da Prata devem ser retomadas o mais breve possível.
         Algumas propostas foram levantas por alguns usuários, a exemplo da construção de uma CAPS AD e um CAPS Infantil.
        A plenária aconteceu na Escola Municipal Simões Barbosa, no bairro do Ibura de Baixo e elegeu 10 pré-delegados (as) pelo segmento Usuário e 05 pré-delegados (as) pelo segmento Trabalhador.
Pré-delegados (as) eleitos (as) pelo segmento Usuário
Pré-delegados (as) eleitos (as) pelo segmento Trabalhador

Colegiado compõe Comissão Organizadora da 13a Conferência Municipal de Saúde

         O colegiado do CMS-Recife, durante a 208a Reunião Extraordinária, realizada na última quinta-feira, 15, retirou os (as) conselheiros (as) que irão compor a Comissão Organizadora da 13a Conferência Municipal de Saúde do Recife. Ao todo, serão 14 membros que, a partir de agora, terão a responsabilidade de o planejar e estruturar os três dias de evento que acontece nos dias 23. 24 e 25 de outubro, no Centro de Convenções, Olinda.
         Outro ponto bastante importante da pauta foi a apresentação da Vigilância Epidemiológica do Recife, feita pela chefe de Unidade de Vigilância Epidemiológica, Natália Barros, mostrou um pouco do organograma, as atribuições, o perfil epidemiológico do Recife e os avanços nos últimos cinco anos.
       Iniciada com a apresentação do colegiado, a Reunião Extraordinária também pautou assuntos como a leitura do Ofício da Comissão Intersetorial de Saúde do Trabalhador (CIST) do Recife que solicita a inclusão desta comissão no Regimento Interno do CMS-Recife, além de formar a Comissão Organizadora da 13ª Conferência Municipal de Saúde do Recife.
       Convidada para iniciar a apresentação, Natália Barros, falou do conceito da Vigilância Epidemiológica. “[A vigilância epidemiológica] é responsável por gerar informações a respeito do adoecimento e morte da população, e, além disso, detecta qualquer padrão que fuja ao que a gente espera, geralmente relacionada a determinantes condicionantes da saúde”, disse. Natália também falou dos principais objetivos dessa política que, entre outros, é possível destacar o monitoramento populacional e controlar a ocorrência de doenças, agravos e óbitos na população; Impedir a propagação de doenças de caráter epidêmico que coloquem em risco a sociedade; e Propiciar adoção de medidas de promoção, prevenção e controle de doenças e agravos.
       Aberto do debate, os (as) conselheiros (as) expuseram seus questionamentos. A conselheira Vera Lúcia indagou sobre como é feita a divulgação da testagem rápida para HIV/Sífilis, pois, segundo ela, a comunidade não sabe onde e quando são realizados desses testes. “O Ibura sempre é o campeão dos índices de Aids e acho que isso acontece porque não tem divulgação dessas testagens rápidas para saber qual é a unidade que realiza esse procedimento”, disse. A conselheira também perguntou se o Distrito Sanitário VIII está dentro do programa que recebe esse serviço visto que antes as unidades pertenciam ao Distrito Sanitário VI.
       Natália disse que as análises são feitas por unidade e que os dados são contabilizados para o território ao qual a unidade está inserida. Natália também ressaltou que as testagens rápidas são uma solicitação da própria unidade e, caso exista a necessidade do serviço, a unidade deve acionar a Vigilância para dispor do serviço para os usuários (as). Como encaminhamento, ficou acordado que a Diretoria Executiva de Vigilância em Saúde irá encaminhar a listagem das unidades que realizam a testagem rápida.
      A conselheira Rosângela Albuquerque perguntou quais são as localidades que possuem os maiores índices de filariose no Recife e onde é feito esse teste. Além disso, a conselheira quis saber se existe um monitoramento dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) dentro do território. Natália disse Recife está muito perto de receber o selo de erradicação de filariose e apresentou os bairros que ainda faltam ser contemplados na realização do teste, a exemplo dos bairros Brejo de Beberibe e Ilha Joana Bezerra. Quanto ao monitoramento dos ACS, Natália explicou que "é feito pelos enfermeiros das unidades e pelos coordenadores de área", mas que essa demanda é da Atenção Básica.
     Findado esse assunto, o conselheiro José Ribeiro, coordenador da Comissão Intersetorial de Saúde do Trabalhador (CIST) do Recife, foi convidado para ler o documento que solicita a inclusão da comissão no Regimento Interno do CMS-Recife. Alguns conselheiros (as) pediram esclarecimentos acerca de alguns itens que compõe o documento e, passado o debate, ficou acordado que é preciso fazer uma análise mais detalhada da proposta.
        Por fim, houve as vacâncias de comissões.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Educação Permanente é pauta de roda de conversa

         Conselheiras de Saúde (Municipal e Distrital), juntamente com secretárias executivas dos CDS, participaram de uma Roda de Conversa sobre Educação Permanente para o Controle Social. A reunião contou com a participação de Juliana Ribeiro, da Diretoria Executiva de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde (DEGTES), onde mostrou as diferenças entre Educação Permanente e Educação Continuada.
      Segundo Juliana, a Educação Permanente "é o conceito pedagógico no setor da saúde para efetuar relações orgânicas entre ensino, ações e serviços. É uma aprendizagem no trabalho, onde o aprender e o ensinar se incorporam ao cotidiano das organizações e ao trabalho", explica.
        Nas discussões, as conselheiras acompanharam como se deu o processo legislativo do SUS, desde a sua fundamentação na Constituição de 1988, passando pelas Leis 8.080/90 e 8.142/90 onde falam, entre outros pontos, que a saúde é direito de todos e dever do Estado com acesso universal e igualitário. 
       Além disso, foi iniciada a discussão de propostas de formação para os conselheiros (as) de Saúde como meio de garantir a formação teórica, técnica e política desses atores sociais, apoiando e qualificando a sua contribuição para a política de saúde local.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

13a Conferência: Distrito Sanitário III discute saúde em plenária Microrregional

          Moradores das localidades dos Aflitos, Alto do Mandu, Casa Amarela, Casa Forte, Derby, Espinheiro, Graças, Jaqueira, Parnamirim, Poço da Panela, Santana e Tamarineira se reuniram, na noite da última quarta-feira, 14, para realizar mais uma etapa Microrregional da 13ª Conferência Municipal de Saúde do Recife. A Plenária, que contou com a participação de usuários (as), trabalhadores (as) e gestores (as), serviu para avaliar e discutir a saúde local, onde os participantes puderam elencar as dificuldades encontradas no cotidiano de suas comunidades.
Rivânia Rodrigues falou da importância dos usuários (as) participarem desses espaços de Controle Social
       Iniciando com a formação da mesa de abertura, que teve a participação da conselheira Municipal de Saúde, Rivânia Rodrigues, a plenária recebeu as boas vindas de todos. “Estamos discutindo saúde em todos os Distritos Sanitários, onde, juntos e juntas, podemos fazer algo em prol de um SUS para todas as pessoas", disse Rivânia, lembrando do comprometimento do CMS-Recife na realização desta conferência.
      Além disso, o CMS-Recife também fez uma apresentação sobre como são instituídos os Conselhos de Saúde e como cada cidadão pode ser tornar um conselheiro. Essa apresentação foi feita pela vice-coordenadora do CMS-Recife, Keila Tavares.
Lara Hazin faz apresentação situacional do Distrito Sanitário III
      A gerente do Distrito Sanitário III, Lara Hazin, fez uma apresentação situacional do território onde trouxe a estruturação da saúde e mostrou ações, ganhos e o panorama das requalificações das unidades existentes. Tal apresentação serviu como subsídio para o debate que se instaurou logo após esse momento.
        O usuário e conselheiro Distrital, João José, questionou a gerente sobre a situação da Unidade União das Vilas que, atualmente, atende os usuários (as) em um container e aproveitou para pedir uma qualificação melhor para todos os profissionais. “Até quando os usuários da [unidade] União das Vilas irão sofrer com esse problema de local? Isso é um absurdo”, disse. “A gestão deve potencializar os profissionais da atenção básica para que possam realizar um trabalho mais estruturado dentro das unidades de saúde”, finaliza.
          Em resposta, Lara reconhece o problema da unidade e informou que a secretaria “está com o novo local para União das Vilas e que logo estarão fazendo a mudança do container para um local mais apropriado”.
          A criação de um centro de fisioterapia, uma cartilha informando todos os serviços e equipamentos da rede e a falta de abastecimento de medicamentos foram alguns dos outros pontos citados pelos usuários (as).
        Ao final, as plenárias elegeram 12 pré-candidatos (as) pelo segmento Usuário e 10 pré-candidatos (as) pelo segmento Trabalhador.

Pré-delegados (as) eleitos (as) do segmento Usuário da Micro 3.1
Pré-delegados (as) eleitos (as) do segmento Trabalhador da Micro 3.1
Pré-delegados (as) eleitos (as) do segmento Usuário da Micro 3.2
Pré-delegados (as) eleitos (as) do segmento Trabalhador da Micro 3.2

quinta-feira, 15 de junho de 2017

CDS IV empossa Conselhos de Unidade

         Em solenidade realizada no dia 9 de junho, o Conselho Distrital de Saúde (CDS) do Distrito Sanitário IV empossou os colegiados dos Conselhos de Unidade da UBT José Dustam. UBT Joaquim Cavalcanti, UBT Olinto de Oliveira, CAPS Eulâmpio Cordeiro e CAPS Espaço Vida. A cerimônia contou com a participação da coordenadora do CMS-Recife, Janaína Brandão, que falou da importância do momento.
Janaína Brandão deu as boas vindas aos (as) conselheiros (as) e ressaltou a importância
desses novos conselhos
       “O CMS-Recife vem tentando, diariamente, fortalecer os conselhos distritais e os de unidade e ficamos felizes quando um processo como este dá certo. Entendemos que esses novos conselhos servirá de apoiador no papel fiscalizador que ele desempenhará dentro das unidades”, falou.
       Janaína também ressaltou o êxito do processo eleitoral dos Conselhos de Unidade. “Não posso me eximir de parabenizar a todos os envolvidos pelo trabalho excelente ao realizar essas eleições, seguindo todas as orientações do CMS-Recife e tendo base legal assegurada nos documentos normativos que regem os conselhos de Saúde”, disse se referindo a Lei e Regimento do Conselho.
A gerente do Distrito Sanitário IV, Juliana Santiago, falou do comprometimento da gestão
no andamento das demandas e resolutividade dos problemas
        A gente do Distrito Sanitário IV, Juliana Santiago, se mostrou disponível para dialogar com os recém-empossados (as) conselheiros (as). “Iremos trabalhar juntos e seguiremos por caminhos que nos façam fazer o melhor para a população”, exemplificou.
       A representante do CDS IV, Joselita Maria, relembrou as lutas travadas pelos militantes do SUS para que esses espaços fossem criados. “A conferência de 88’ foi algo marcante e temos que admitir que muita coisa melhorou. Mas, não se faz história sem pensar no passado. Temos que ver no presente aquilo que queremos planejar para o nosso futuro”, disse.
A usuária Avani disse que é "um prazer imenso fazer parte do conselho de saúde"
      A usuária Avani, conselheira empossada na UBT Joaquim Cavalcanti, falou da satisfação em compor este conselho de unidade. “Imenso orgulho em está nesse momento, porque fui nascida e criada nessa unidade e sei que, como conselheira, posso ajudar tanto a minha comunidade quanto o meu bairro”, falou. “A luta é grande, mas estamos dispostos a lutar”, finaliza.
         Conheça os colegiados dos Conselhos de Unidade:


Colegiado do CAPS Eulâmpio Cordeiro
Colegiado da UBT Olinto de Oliveira
Colegiado da UBT Joaquim Cavalcanti
Colegiado da UBT José Dustan
Colegiado do CAPS Espaço Vida

segunda-feira, 12 de junho de 2017

13a Conferência: Distrito Sanitário I inicia fase das Microrreginais

       Moradores das localidades da Boa Vista, Cabanga, Ilha do Leite, Paissandu, Santo Antônio, São José e Soledade, se reuniram, na noite da última quanta-feira, 07, para realizar a etapa de Microrregional da 13ª Conferência Municipal de Saúde do Recife. Contando com a participação de mais de 100 pessoas, entre usuários (as) e trabalhadores (as), a plenária teve como objetivo discutir a política de saúde local, elencar propostas a serem levadas a etapa Distrital e eleger os (as) pré-delegados (as) da conferência.
       Dando às boas vindas aos presentes, o representante do CMS-Recife, Rodrigo Barbosa, falou da importância desse espaço. "Esse momento é muito importante para que a gente diga os problemas encontrados nas unidades para criar proposta para melhorar a nossa saúde", disse. "Desejo muito sucesso para todos e todas", finaliza. Além de Rodrigo, participaram da mesa de abertura a conselheira Distrital, Otávia Félix, a gerente do Distrito Sanitário I, Alessandra Araújo, e a representante da Secretaria de Saúde, Kamila Matos.
         A vice-coordenadora do CMS-Recife, Keila Tavares, esteve presente na plenária onde falou da importância dos conselhos de saúde para efetivação das políticas públicas de saúde, além de mostrar como funcionam esses conselhos.
       A gerente do distrito foi convidada para fazer uma apresentação situacional do território onde apresentou as ações realizadas pelo distrito, quais serviços são ofertados e como funciona a rede de saúde dentro do território.
     Após esse contato, a plenária pode fazer suas colocações e dialogaram com a gestão melhorias nas unidades de saúde da área. Entre uma fala e outra, algumas propostas surgiram, a exemplo da construção de um polo da Academia da Cidade, qualificação para os profissionais da rede, aumentar o quadro de funcionários contratando médicos e dentistas e ter um olhar mais atento para as áreas descobertas. 
       Ao final, foram eleitos 14 usuários (as) e 07 trabalhadores (as) como pré-delegados (as) a etapa Distrital.
Pré-delegados (as) eleitos (as) pelo Segmento Trabalhador
Pré-delegados (as) eleitos (as) pelo Segmento Usuário

Saúde das Mulheres é tema de debate da 2a CESMu

        Nos dias 06 e 07 de junho, foi realizada a 4ª Etapa Macrorregional da Região Metropolitana do Recife, da 2ª Conferência Estadual da Saúde das Mulheres (2ª CESMu). Uma promoção do Conselho Estadual de Saúde (CES) de Pernambuco, a 4ª macrorregional foi um espaço de discussão dos direitos das mulheres e de defesa das políticas públicas para a saúde integral das mulheres.
          Representando o CMS-Recife na mesa solene de abertura, a Coordenadora do CMS-Recife, Janaína Brandão, falou um pouco da luta das mulheres. "[Esse é] um momento importante para as mulheres se mobilizarem, pois entendemos que somos maioria e que precisamos ocupar esses espaços, pois a luta é grande e precisamos ser protagonistas das nossas conquistas", disse Janaína.
         Os (as) participantes da macrorregional participaram de grupos de trabalho, através​ de eixos temáticos​, onde se discutiram as políticas e os contextos sociais que refletem diretamente no processo de fortalecimento da Política Estadual de Saúde das Mulheres.
       Ao final, as conselheiras Keila Tavares e Lorena Raia foram eleitas para as próximas etapas da Conferência.

Recife sedia etapa macrorregional da Conferência de Vigilância em Saúde

        O Conselho Estadual de Saúde (CES) de Pernambuco realizou, nos dias 05 e 06 de junho, a 4ª Etapa Macrorregional – Região Metropolitana do Recife. Precedendo a 1ª Conferência Estadual em Vigilância em Saúde (1ª CEVS), a 4ª etapa teve como objetivo discutir o fortalecimento das políticas públicas em vigilância saúde e seus processos de trabalho no âmbito Regional, Estadual e Nacional.
       A mesa de abertura contou com a participação da coordenadora do CMS-Recife, Janaína Brandão, que, em alusão ao Dia Mundial do Meio Ambiente (05/06), chamou atenção para as dificuldades e os desafios a serem superados no estado. “Temos que ter uma participação da sociedade que muitas vezes descartam resíduos em locais inapropriados causando sérios impactos ao meio ambiente”, ressalta. “Os conselhos de Saúde devem ter pautas para discutir questões ambientai”, finaliza. 
       Ao longo dos dois dias de evento, os participantes se dividiram em eixos temáticos onde elencaram propostas para realização das ações de Vigilância em Saúde nos níveis correspondentes. Além disso, houve a eleição da delegação de Pernambuco para participar das Etapas Estadual e Nacional da 1ª CEVS, onde foram eleitos o conselheiro José Ribeiro e a conselheira Sebastiana Maria.

segunda-feira, 5 de junho de 2017

13a Conferência: Distrito VII realiza segunda microrregional

       Na tarde do último sábado, 03, foi realizada a plenária da Microrregião 7.2 com moradores das localidades de Brejo de Beberibe, Nova Descoberta e Passarinho. Acontecida na Escola Municipal Nova Descoberta, no bairro de Passarinho, a plenária teve o objetivo de ouvir a população, elencar propostas para a etapa Distrital da 13a Conferência Municipal de Saúde e conscientizar a população sobre a importância desses espaços que são criados para debater sobre a saúde local e o Controle Social.
        Com a presença de mais de 120 participantes, entre usuários e trabalhadores, a plenária foi iniciada com a formação da mesa de abertura, onde, entre os convidados, estavam o conselheiro, Oscar Correia, os representantes do Conselho Distrital de Saúde VII, Waldir Pereira e Silvânia Timóteo, da gerente Distrital, Ana Beatriz Vasconcelos e da representante da Secretaria de Saúde, Kamila Matos. "É sempre importante reforçar que este é o momento para que a gente possa elaborar propostas que serão levadas para as outras etapas da 13a Conferência", disse Oscar.
        A conselheira Lucelena Cândido, presente na plenária, mostrou como funciona os Conselhos de Saúde, qual seu papel e como o cidadão (ã) pode ser um conselheiro (a) de saúde, além de qualificar e quantificar o trabalho que é desenvolvido pelos colegiados da rede de conselhos. 
         Dentro das apresentações, a gerente do DS VII, Ana Beatriz, apresentou um panorama situacional do território dando ênfase à micro 7.2. Em sua fala, Ana Beatriz reafirmou o compromisso da gestão em fazer um estudo territorializado para ampliação do serviço de cobertura para as áreas inseridas na micro. "Estamos jundo com a comunidade para ver quais os problemas e, assim, resolvê-los", disse. "Esse é o momento de nos juntarmos para elaborar propostas que nos ajudem a melhorar a saúde de todos vocês", finaliza.
        Com o término das apresentações, foi aberto o debate. A usuária Irani reclama da falta de vacinação na Unidade Bruno Maia e da demora na marcação de consulta para especialista que, segundo ela, não estão sendo feitas. "Estou sem esperança para marcar meus exames", desabafa. Em resposta, Ana Beatriz informou que existe um problema elétrico na sala de vacinação do Bruno Maia, mas que já existe um projeto para sanar esse problema. Quanto a marcação dos exames, Beatriz fará um levantamento para entender quais são os motivos por essa demora.
        A Agente Comunitária de Saúde (ACS) Elisângela, da Unidade Vila Boa Vista, relatou problemas estruturais, no sistema de Regulação e na falta de insumos para desempenho das funções dos funcionários da unidade, a exemplo da falta de luvas. "Fica difícil para o trabalhador realizar o seu trabalho se não tem infraestrutura para fazer o atendimento ao usuário", dispara. A gerência do território ficou de verificar os problemas apontados pela ACS, mas adiantou que as luvas para trabalho está em processo de homologação.   
       Ao final, foram eleitos (as), por aclamação, 16 pré-delegados (as) do segmento Usuário e 07 pré-delegados (as) do segmento Trabalhador.